Logo Vejapixel

Estratégia de link building: saiba a importância de adaptar a sua às atualizações do algoritmo do Google

Tópicos

Todo mundo sabe que o intuito de se traçar uma boa estratégia de link building é cair nas graças do Google e ser melhor ranqueado por ele nas SERPs, certo? No entanto, o maior buscador online do planeta sabe muito bem de sua importância e não é fácil de agradar!

Além disso, atualizações são feitas periodicamente em seu algoritmo para garantir que a batalha pelas primeiras posições nos resultados de pesquisa seja justa e que a experiência do usuário seja o foco central.

Sendo assim, quem quer obter bons resultados com as estratégias de otimização precisa se adaptar a essas atualizações.

Por esse motivo, hoje vamos falar sobre o algoritmo do Google e como ele impacta diretamente no desempenho do seu site ou blog. Assim sendo, não deixe de ler atentamente até o final, pois essas dicas e informações podem fazer toda a diferença nos seus resultados.

Estratégia de link building e as atualizações do Google

O Google é o maior buscador da Internet e, por isso, é fundamental que os sites se adaptem às suas atualizações de algoritmo para garantir uma boa posição nos resultados de pesquisa. Uma das estratégias mais importantes para isso é o link building, que consiste em obter links de outros sites que apontam para o seu, aumentando a sua autoridade e relevância.

No entanto, nem todos os links são iguais e o Google avalia vários critérios para determinar a qualidade e a confiabilidade deles. Alguns desses critérios são: a reputação e a popularidade do site que faz o link, o contexto e o texto-âncora, a posição e a frequência do link na página, entre outros.

Por isso, é essencial acompanhar as atualizações do Google e adaptar as suas estratégias de link building de acordo com as novas exigências e tendências. 

Afinal, o que é um algoritmo?

Um algoritmo é uma sequência de instruções ou comandos realizados de maneira sistemática com o objetivo de resolver um problema ou executar uma ação. Aliás, o termo “algoritmo” se refere a Al Khwarizmi, um matemático árabe que viveu no século IX, e descreveu regras para equações matemáticas.

Dessa forma, podemos comparar os algoritmos a uma receita de bolo: uma sequência de ações que devem ser executadas para atingir o objetivo final, ou seja, o bolo pronto.

A saber, o uso dos algoritmos vai desde as tarefas cotidianas até os programas computacionais complexos. Os quais, por sua vez, identificam o comportamento do consumidor online. Todas as funções dos computadores, smartphones e tablets, por exemplo, resultam de algoritmos. Por meio deles, esses dispositivos conseguem realizar bilhões de comandos em poucos segundos.

Um algoritmo, portanto, conta com a entrada (input) e saída (output) de informações mediadas pelas instruções. Sendo assim, é fundamental compreender que o algoritmo se justifica no resultado que ele almeja alcançar. Então, ele deve ter um objetivo específico. 

Uma sequência de instruções simples pode se tornar mais complexa conforme a necessidade de considerar outras situações. Dessa forma, o algoritmo vai crescendo e ficando mais complexo para abranger todos os cenários possíveis.

Com o algoritmo do Google não é diferente. Isto é, quando ele foi desenvolvido, em 1998, ele era bem mais simples. Com o passar do tempo, os avanços tecnológicos e o aumento da demanda dos usuários, ele foi evoluindo até chegar à magnitude de hoje.

Contudo, ele continua recebendo atualizações constantes e, por isso, é muito importante adaptar sua estratégia de link building para continuar obtendo bons resultados.

Uso de algoritmos em diferentes áreas

Como dissemos antes, os algoritmos estão presentes em nosso dia a dia, desde em assuntos rotineiros e aparentemente simples até questões mais complexas e tecnológicas.

Assim, como exemplo do uso prático dos algoritmos podemos citar:

Computação

Os algoritmos são a base da programação, pois permitem criar softwares, aplicativos, jogos, sistemas operacionais, inteligência artificial, etc. Desse modo, os algoritmos são escritos em linguagens interpretadas pelos computadores, como Python, Java, C, etc. 

Por fim, os algoritmos de computação podem ser simples ou complexos, dependendo do objetivo e da lógica envolvidos.

Matemática

Outra área na qual os algoritmos estão muito presentes é nas operações matemáticas, como soma, subtração, multiplicação, divisão, potenciação, radiciação, etc. 

Assim, eles seguem regras e propriedades que garantem a validade e a precisão dos resultados.

Engenharia

Os algoritmos também são usados para projetar, construir, testar e otimizar sistemas, máquinas, estruturas, circuitos, etc. Envolvendo conceitos de física, química, eletrônica, mecânicas, eles podem ser simulados por computadores ou implementados na prática.

Biologia 

Para estudar, analisar, modelar e manipular fenômenos biológicos, como o DNA, as células, organismos, ecossistemas, e outros, os algoritmos de biologia utilizam dados, estatísticas, gráficos, imagens, e por aí vai. 

Assim, eles se aplicam em áreas como genética, biotecnologia, medicina, etc.

Finanças

Também se usa algoritmos para gerenciar, investir, negociar e avaliar recursos financeiros, como dinheiro, ações, moedas, etc. Para isso, utilizam-se fórmulas, indicadores, análises de cenários futuros e muito mais.

Como o algoritmo do Google funciona e qual o seu papel na estratégia de link building?

Apesar do Google manter a forma exata de como seu algoritmo funciona em segredo para, dentre outras coisas, evitar as tentativas de burlar sua política de qualidade, sabemos o básico de seu funcionamento.

A grosso modo, o algoritmo do Google é um conjunto de regras que define a ordem dos resultados que aparecem quando alguém faz uma pesquisa no buscador. Dessa forma, o objetivo do algoritmo é oferecer as melhores respostas para os usuários, levando em conta vários critérios de relevância e qualidade das páginas.

Para isso, ele funciona seguindo algumas etapas principais. 

Na primeira etapa, os robôs do Google (chamados de Googlebot, crawler ou spider) percorrem a Internet seguindo os links das páginas e identificando os conteúdos existentes. Então, os robôs armazenam os conteúdos em um grande banco de dados chamado índice, onde eles são organizados por palavras-chave e outros elementos. Por fim, os robôs ordenam os conteúdos do índice de acordo com a relevância para cada pesquisa feita pelos usuários.

Sendo assim, o algoritmo do Google é muito importante para a estratégia de link building. Afinal, como vimos, o robô do buscador avalia diversos pontos do seu conteúdo, sendo que ele pode nem mesmo ir parar no banco de dados do Google (índice) se não for aprovado.

E com as constantes atualizações, é ainda mais primordial se familiarizar com esses robôs para seguir à risca as exigências de Vossa Majestade, o Google!

Nesse sentido, veja a seguir um pouco mais sobre os algoritmos que mais nos interessam na hora de traçar nossa estratégia de link building.

Algoritmos de classificação de página

Algoritmos de classificação de página são métodos que ordenam as páginas da web de acordo com a sua relevância e qualidade para uma determinada pesquisa. Assim, eles levam em conta vários fatores, como o conteúdo, os links, a autoridade e a experiência do usuário. 

Um dos algoritmos de classificação de página mais conhecidos é o PageRank, desenvolvido pelo Google. O PageRank funciona contando o número e a qualidade dos links que apontam para uma página, assumindo que páginas mais importantes recebem mais links de outras páginas. A saber, o PageRank é calculado por meio de um processo iterativo que distribui uma probabilidade para cada página da web.

Algoritmos com foco na experiência do usuário

Já os algoritmos com foco na experiência do usuário, por sua vez, são aqueles que buscam oferecer as melhores respostas para as necessidades, preferências e comportamentos dos usuários que utilizam um site, aplicativo, ferramenta ou outro recurso digital.

Eles analisam vários pontos que influenciam a satisfação e o engajamento dos usuários, como:

  • Velocidade de carregamento;
  • Navegação segura;
  • Design atrativo;
  • Usabilidade;
  • Acessibilidade;
  • Conteúdo relevante, etc.

O Google é um belo exemplo de empresa que utiliza algoritmos com foco na experiência do usuário para ranquear as páginas da web nos seus resultados de pesquisa. O Google Page Experience, por exemplo, é uma atualização do algoritmo que considera a experiência do usuário como um fator de ranqueamento, priorizando as páginas que oferecem uma navegação mais simples e agradável.

Estratégia de link building: entenda as 5 etapas principais do funcionamento do algoritmo do Google

Lembra que falamos do funcionamento do algoritmo em etapas? Agora vamos esmiuçar um pouco melhor cada uma das fases principais do processo que ocorre desde quando alguém pesquisa algo no Google até a exibição dos resultados por ordem de relevância.

Vale ressaltar que tudo isso é feito em milissegundos, o que demonstra a potência do robô do maior motor de busca do mundo. 

1. Crawling ou rastreamento

É o processo de descobrir e visitar todas as páginas da web existentes, seguindo os links entre elas. Como vimos, o Google usa robôs chamados de Googlebot, que vasculham a rede constantemente em busca de novos ou atualizados conteúdos.

Então, eles armazenam as informações das páginas em um servidor.

2. Indexação

Essa etapa consiste em organizar e catalogar as páginas que foram rastreadas em um grande banco de dados chamado de índice. Assim, o Google analisa o conteúdo das páginas e identifica as palavras-chave e os elementos mais importantes, como títulos, imagens, vídeos, etc.

Dessa forma, ele pode recuperar as páginas mais relevantes para cada pesquisa feita pelos usuários.

3. Processamento de pesquisas

Aqui, o Google busca entender o que o usuário está buscando e quais são as suas intenções. Para isso, o buscador usa algoritmos de processamento de linguagem natural, como o BERT, para interpretar o significado das palavras e das frases usadas na pesquisa. Ele também considera outros fatores, como a localização, o histórico, o dispositivo e as preferências anteriores do usuário.

4. Classificação

Nessa etapa, o Google ordena as páginas do índice de acordo com a sua relevância e qualidade para a pesquisa do usuário. A saber, ele usa mais de 200 fatores de ranqueamento, como o conteúdo, os links, a autoridade, a experiência do usuário, e muito mais. Daí a necessidade de compreender esse processo para traçar sua estratégia de link building.

Ele também usa algoritmos de aprendizado de máquina, como o RankBrain, para ajustar os critérios de classificação conforme o comportamento dos usuários

5. Resultados e exibição

Por fim, o Google apresenta os conteúdos que passaram pelo seu crivo na página de resultados de pesquisa (SERP). Para isso, são usados algoritmos de personalização para adaptar os resultados às necessidades e aos interesses de cada usuário.

Ademais, ele também usa recursos visuais, como snippets, imagens, vídeos, mapas, etc, para tornar os resultados mais atraentes e informativos.

Agora o que mais interessa para nossa estratégia de link building

Para que nossos resultados sejam bons, é preciso ser aprovado em todo o processo aplicado pelos algoritmos do Google, certo? Afinal, se não respondermos às exigências dele, nosso conteúdo não vai aparecer nos resultados de pesquisa em uma posição promissora, ou seja, com chances reais de que o usuário clique nele.

Aliás, você sabia que apenas 9% dos usuários rolam até o final da SERP? É o que aponta um levantamento recente feito pela Backlinko, site especialista em SEO

Além disso, a pesquisa também mostrou que 50% das pessoas levam menos de 9 segundos para clicar em algo e que apenas 0,44% chega até a segunda página de resultados.

Por isso, é bom fazer amizade com os robozinhos do Google e fazer com que seu site apareça no topo da SERP. Veja a seguir alguns dos principais algoritmos mais relevantes para sua estratégia de link building.

1. Panda

O Panda é uma atualização do algoritmo de busca do Google que foi lançado pela primeira vez em fevereiro de 2011. O principal objetivo dessa atualização era diminuir a prevalência de sites de baixa qualidade e spam nos resultados de pesquisa do Google e, ao mesmo tempo, recompensar sites com conteúdo de alta qualidade.

Assim, o Google Panda funciona procurando sinais em uma página da web que indiquem conteúdo de baixa qualidade, como conteúdo fino, mal escrito, duplicado, copiado ou irrelevante. Ele então atribui uma classificação de qualidade à página, que é usada internamente e influencia o seu posicionamento nos resultados de pesquisa.

Dessa forma, o Panda é atualizado periodicamente para refinar os seus critérios de qualidade e adaptar-se às mudanças na web.

2. Penguin

Outro algoritmo do Google que visa combater o spam de links é o Penguin, que desde 2012 penaliza sites que utilizam técnicas de manipulação de links para melhorar sua classificação nos resultados de pesquisa. 

Essas técnicas são chamadas de black hat SEO e todos os administradores de sites que investem em estratégia de link building precisam ficar de olho. 

O Penguin funciona analisando os perfis de links de um site e identificando padrões de manipulação de links. Em seguida, os sites penalizados pelo algoritmo perdem posições nos resultados de pesquisa e sofrem uma queda no tráfego orgânico.

3. Hummingbird: mais um algoritmo relevante para sua estrutura de link building

O Hummingbird é um algoritmo do Google cuja versão inicial saiu em 2013. Ele visa melhorar a compreensão e a relevância das pesquisas dos usuários, usando técnicas de processamento de linguagem natural. Assim, o buscador consegue entender o significado e a intenção por trás das palavras e frases usadas nas consultas de pesquisa. 

Ele também considera outros fatores, como a localização geográfica, o histórico de pesquisa, o dispositivo, etc. Sendo assim, o Hummingbird permite que o Google forneça resultados mais precisos e personalizados, especialmente para pesquisas complexas, longas ou conversacionais.

4. Google EAT (Expertise, Authoritativeness, Trustworthiness)

Por fim, outro algoritmo que influencia diretamente na sua estratégia de link building é o Google EAT (Expertise, Authoritativeness, Trustworthiness). Ele consiste em um conjunto de critérios que o Google usa para avaliar a qualidade e a relevância de um conteúdo. O EAT significa:

  • Expertise (Especialidade): O nível de conhecimento e habilidade do autor ou da fonte de informação sobre o assunto. Isso porque o Google valoriza conteúdos criados por especialistas que possuem credenciais, experiência e reconhecimento na área;
  • Authoritativeness (Autoridade): A reputação e a influência da fonte de informação no seu campo de atuação. O buscador considera a autoridade como um indicador de confiabilidade e qualidade do conteúdo. A saber, sites com alta autoridade são, em essência, aqueles que são amplamente referenciados e respeitados por outras fontes;
  • Trustworthiness (Credibilidade): A confiabilidade e a segurança da fonte de informação e do conteúdo apresentado. O Google prioriza sites que oferecem informações verdadeiras, precisas e transparentes, que protegem os dados dos usuários e que não contêm conteúdos enganosos ou prejudiciais.

Aliás, o EAT é importante principalmente para sites que fornecem informações de saúde, finanças, leis e outros tópicos que podem afetar a segurança e o bem-estar dos usuários.

Como se adaptar às atualizações e adaptar a estratégia de link building?

Já vimos até aqui que o Google se empenha bastante para garantir a melhor experiência possível para seus usuários, não é mesmo? Seja na melhor compreensão possível da intenção de busca, na qualidade do conteúdo, na rapidez da resposta, enfim. Não é segredo que o maior motor de busca “leva o sarrafo lá para cima”!

Assim sendo, só nos resta subir também o nível do conteúdo e nos adaptarmos a essas exigências que, apesar de parecerem chatas, são necessárias. Sem contar que não adianta querer burlar os robôs do Google, que estão cada vez mais espertos.

Portanto, sem adaptação, você não ranqueia. Sem ranqueamento, você não tem tráfego. E sem tráfego, você não vende.

Veja a seguir as principais formas de se alinhar com as políticas do Google.

1. Produzir conteúdo de qualidade

Produzir conteúdo de alta qualidade é uma das melhores formas de obter links de outros sites e melhorar o seu posicionamento nos resultados de pesquisa do Google. Lembre-se de que conteúdo de alta qualidade é aquele que:

  • Oferece valor, informação, solução ou entretenimento para o público-alvo;
  • É original, criativo, relevante e atualizado;
  • É bem escrito, organizado, estruturado e formatado;
  • Usa palavras-chave, títulos, subtítulos, imagens, vídeos e outros elementos que facilitam a leitura e a compreensão;
  • Segue as diretrizes de qualidade e as boas práticas de SEO.

Ao produzir conteúdo de alta qualidade, você aumenta as chances de atrair e engajar os seus visitantes, gerar compartilhamentos nas redes sociais, receber backlinks de sites de autoridade e ser reconhecido como uma referência no seu nicho.

2. Usar palavras-chave relevantes é primordial em uma estratégia de link building

Já vimos que o Google preza pela assertividade nos resultados das pesquisas dos usuários. Em outras palavras, quanto mais próximo da intenção de busca do internauta você chegar, maiores as chances dele te colocar no topo da SERP.

Sendo assim, use palavras-chave relevantes para conseguir ranquear e também para ter melhores resultados na sua estratégia de link building.

Veja a seguir algumas das melhores definições de boas palavras-chaves:

  • Estão relacionadas ao seu nicho, ao seu produto ou serviço, e aos interesses e necessidades dos seus potenciais clientes;
  • Têm um bom volume de busca, ou seja, são frequentemente pesquisadas pelos usuários nos buscadores, como o Google.
  • Baixa concorrência, isto é, não são muito disputadas por outros sites que oferecem o mesmo que você.

3. Backlinks: espinha dorsal da sua estrutura de link building

Os backlinks são pontos chave em uma estratégia de link building, pois eles influenciam diretamente na relevância e na classificação do seu site nos resultados de pesquisa. Quanto mais backlinks de qualidade você tiver, maior será a sua chance de ranquear bem no Google e atrair mais tráfego orgânico.

No entanto, os algoritmos do Google estão em constante atualização e se tornam cada vez mais exigentes e inteligentes. Dessa forma, eles avaliam não só a quantidade, mas também a qualidade, a diversidade, a relevância e o contexto dos backlinks que você recebe. 

Por isso, é essencial acompanhar as mudanças e procurar obter apenas backlinks relevantes e de qualidade para conseguir link juice que realmente agregue autoridade ao seu site.

4. Site rápido e responsivo

Ter um site rápido e responsivo é essencial para garantir uma boa experiência de navegação para os usuários que acessam o seu site por diferentes dispositivos, como computadores, tablets e celulares. Afinal, um site rápido e responsivo carrega mais rápido, se adapta ao tamanho da tela, facilita a leitura e a interação, e evita erros ou problemas de visualização.

Além disso, ter um site rápido e responsivo também é importante para o seu posicionamento nos resultados de pesquisa do Google, pois, como já vimos, os algoritmos levam em conta a velocidade e a responsividade do site como fatores de ranqueamento.

5. Meta descrições e títulos otimizados: essenciais na estratégia de link building

Meta descrições e títulos otimizados são elementos essenciais para a otimização de um site para os motores de busca. Eles são partes do código HTML de uma página e têm um papel importante no SEO (Search Engine Optimization), pois ajudam a melhorar a visibilidade e o posicionamento do site nos resultados de pesquisa.

Dessa forma, as meta descrições devem ser atraentes e informativas para o usuário e incluir as palavras-chave relevantes para o site. Já os títulos devem ser curtos e claros e incluir as palavras-chave.

Apesar de ser algo bastante básico, é sempre válido ressaltar que meta descrições e títulos otimizados podem aumentar a taxa de cliques e o tráfego orgânico para o site, pois não só chamam a atenção dos usuários como também dos motores de busca. 

O que o futuro do algoritmo do Google reserva para nossa estratégia de link building?

Já vimos que o Google nunca para e está em constante evolução. E é exatamente por isso que ele reina soberano há anos no topo do ranking dos maiores buscadores web do mundo.

Assim sendo, quem quer sobreviver e, mais do que isso, prosperar no digital, precisa acompanhar essa evolução.

No que se refere às estruturas de backlinks, é cada vez mais importante traçar estratégias eficazes e que contemplem as exigências de ranqueamento do Google. Em outras palavras, não adianta mais apenas convidar seus “parças” que também tem sites e blogs para trocar links! Em vez disso, é preciso pesquisar os sites mais relevantes para seu nicho, escolher as palavras-chave certas, usar textos âncoras corretos, enfim.

E se você quer garantir que tudo isso será feito da maneira mais eficiente possível, conte com a gente! Fazemos exatamente esse tipo de pesquisa para conseguir somente os backlinks mais suculentos para seu site.

Portanto, entre em contato conosco hoje mesmo, veja como podemos cuidar da sua estratégia de link building e não fique mais com medo das atualizações do algoritmo do Google!

Autor:

Estudante de Marketing Digital, Tecnólogo, pela Faculdade Anhanguera, de Leme-SP, com diversas certificações na área e simplesmente apaixonada pela Redação Web. Casada, mãe e aprendiz da vida!

Quer receber mais conteúdo como esse?

Inscreva-se e receba em seu e-mail as melhores dicas para gerar mais tráfego e venda para o seu site.

O seu e-mail estará seguro e você poderá removê-lo quando quiser.
Seja avisado
Me avise sobre
guest
0 Comentários
Comentários de trechos do post
Ver todos os comentários

Aumente o Tráfego Orgânico do seu site

Invista em link building e seja melhor posicionado nos resultados de busca do Google, Bing, Yahoo e outros buscadores.

undraw growing - homem e gráfico crescente
0
O que achou deste conteúdo? Comente!x
Categorias:
Compartilhe: